sexta-feira, setembro 29, 2006

Para a Helena (3)

Dedo a dedo
eis a mão de um modo simples
marcada em profusão de linhas
(e alguns vestígios de dias agitados)
sem começo nem fim

Uma enciclopédia a respirar
vidas imaginadas a alcançar o céu
(fugidas do inferno)

De cada vez que a olho
de cada vez que a toco
sei um pouco mais de ti
um pouco mais de ti
mas nunca o suficiente
para dela dizer já tudo li
EMANUEL BENTO